martedì 7 giugno 2016

A.C.I.MA. entrevista a Escritora Paula Valéria Andrade

A.C.I.MA. dando continuidade ao projeto de mapeamento dos artistas e escritores brasileiros &  lusófonos- “Vitrine do Artista Brasileiro & Lusófono no Exterior”, iniciado em setembro de 2011, com entrevistas dirigidas inicialmente para os artistas e escritores brasileiros residentes no exterior, dá início em 2013 ao segundo ciclo do projeto de entrevistas para a “Vitrine do Artista Brasileiro” com os artistas e escritores associados A.C.I.MA., residentes no Brasil, que contribuem para a divulgação e valorização da Arte & Cultura brasileira e lusófona no exterior.

O projeto “Vitrine do Artista Brasileiro & Lusófono no Exterior” da A.C.I.MA. abraça a arte e a cultura dos povos migrantes em todas as suas formas e manifestações – sejam elas, musicais, literárias, teatrais, artes plásticas, cinema, dança, fotografia, folclore, enfim, todas as expressões artísticas.

PAULA VALÉRIA ANDRADE
“Vitrine do Artista Brasileiro no Exterior”


A.C.I.MA. – Bem vinda Paula Valéria Andrade!!! É uma honra tê-la conosco! Primeiramente, gostaríamos de saber um pouco sobre você: de onde vem, qual sua terra natal? Onde vive atualmente? Além da escrita, que trabalho ou hobby desenvolve?

P. V. A. – Nasci carioca, e morava no bairro da Gávea no Rio de Janeiro. Fui filha do Baixo-Gávea e sua cultura de teatros e poesia. Já residi em outros países a estudo ou trabalho, como EUA, Alemanha e Inglaterra. Vivo há mais de 20 anos em São Paulo e atuo desde os 21 anos como poeta & escritora, e há dez anos como webcolunista de ensaios, estudos no http://cronopios.com.br/V1/cronopios_responsive/index.php?category=20,21,23,24&portal=universidade&capa=1.

Profissionalmente, sou designer e diretora de arte de TV, cinema e teatro, criando cenários e figurinos para dramaturgias. Desenvolvi muitas outras facetas que cito logo abaixo. E tudo surgiu com a expansão do mercado digital, a Internet e as novas mídias. Gosto também de estudar idiomas como o alemão, francês, espanhol e inglês e suas literaturas e filmes. Isso é um hábito pela vida afora. Adoro a natureza e sou muito envolvida com jardinagem e botânica. Estudo. Também gosto muito de esportes ao ar livre como bicicleta, natação e corrida. Já fui voluntária em ONG, para combater a fome de crianças com câncer > Banco de Alimentos. Enfim, além de tudo isso gosto de desenhar, pintar e mexer e moldar em cerâmica. Amo fotografia. Não sei se esses são exatamente hobbies, mas são as atividades que faço além do meu trabalho profissional. E claro, curto viver sempre de bem com a vida! 

Coisas Boas da Vida: desenhar, colorir, cantar, pintar, nadar, andar de bicicleta, andar de patins, de esqui, de cavalo, namorar, viajar, ler, ver filmes, ficar na rede, tomar sorvetes, criar objetos, voar, fotografar, construir ideias, cuidar de plantas, andar de trem, ouvir músicas, dançar, sonhar, mergulhar no mar, e principalmente andar.
E como profissional, no mercado de trabalho, tenho outras facetas e exerço ao longo de anos as atividades de: > Escritora, > Poeta, > Redatora,> Designer, > Cenógrafa, > Figurinista, > Diretora de Arte, > Ilustradora, > Produtora de Filmes, > Especialista em Mídias Digitais, > Executiva de MKT & Negócios, > Guia Internacional de Turismo, > Tradutora, > Professora, > Curadora de Exposições de Poesia e Arte, > Produtora de Eventos Culturais.

A.C.I.MA. – Como e quando se dá o seu primeiro contato com a escrita? Sobre qual tema você escreve? De onde vem as inspirações para suas obras literárias? Poderia nos contar um pouco sobre seu processo criativo?

P. V. A. – Tive a felicidade de nascer rodeada de livros. Um cenário ideal para uma poeta e amante das polifonias das línguas, suas semânticas, mistérios e coincidências. Assim, pelo manuseio e a leitura de vários livros acessíveis e interessantes em casa e na escola, fui crescendo imaginativa. Como disse, meu privilégio foi que sempre tive a felicidade de ser cercada de livros bons e variados. Um valor presente em nossas vidas. Também pelo exemplo de toda a minha família sempre curtindo ler. Minha avó me contava histórias desde pequena e adorava ler um romance. Meu pai vivia lendo na poltrona e marcando os textos com caneta azul marinho, quase um ritual. E já minha mãe, essa respira literatura, antes mesmo de eu nascer. Na escola, tive professoras que me estimularam bem nisso e foi natural amar a leitura e os bons textos. Depois escrever foi simplesmente acontecendo. Acabei ganhando alguns concursos de redação e gostava de brincar com as palavras. Me descobri autora aos 21 anos, ao ganhar o prêmio Jabuti, com o livro infantil “Muzzy” – pela BBC de Londres e a APEL Editora. Daí para frente foram ao todo 15 livros. Têm 14 livros físicos (6 livros-brinquedo-de pano com histórias infantis, 6 antologias poéticas + um livro solo de poesia + um livro didático sobre arte e tecnologia na coleção PEC) e 01 livro digital – e-book da antologia poética – “Saciedade do Poetas Vivos” com a organização de Leila Míccolis – http://www.blocosonline.com.br/literatura/poesia/obrasdigitais/saciedigpv/06/pvandrade01.php.

Em poesia, o processo de criação vem de dentro para fora. Mais, ainda assim, observo o cotidiano e escrevo sobre ele, suas paisagens, fluxos, vibrações, personagens. Tanto faz a cidade, país ou o momento. Então por mim, tudo vale para a poesia. Ela cabe em qualquer lugar. Ela surge de um cheiro ou olhar. Rabisco no pedaço de papel que estiver mais perto e pode ser até com um lápis de olho, se me faltar caneta. Depois chego em casa e rescrevo, elaboro, ponho o cérebro. E uso o ouvido para dar o ritmo.
Em relação a outros livros e textos, pesquiso, e muitas vezes estudo muito o assunto para falar dele. Algumas vezes, textos infantis me veem de uma inspiração e impulso, de uma observação botânica ou de um puro ato singelo, mas na grande maioria foram pensados bem, tanto na métrica como na temática. Aprendi, que para escrever bem precisamos ler muito mais, e com isso me inspiro muito também pela referência de grandes e bons autores, sempre mestres das trilhas, dessa estrada da palavra.


A.C.I.MA. – Qual foi a pessoa que primeiramente acreditou em seu talento? E qual outra linguagem da Arte tem o seu interesse?

P. V. A. – A primeira pessoa foi minha professora de Língua Portuguesa no ginásio, a Marisa Fonseca, do Colégio Jacobina no Rio de Janeiro. Ela era incrível, culta, disciplinada e muito determinada a nos ensinar a ler e escrever um bom português. E conseguiu. De nossa turma, saíram duas escritoras profissionais e eu, poeta. Além de duas jornalistas. Depois, tive como mentora na literatura infantil, a Marina Quintanilha Martinez, escritora e professora, com quem trabalhei na Biblioteca Manoel Lino Costa, na Lapa no Rio. Essa biblioteca tinha o apoio do Rotary Club e da Fundação Nacional do Livro Infantil& Juvenil (FNLIJ); e tudo isso foi fundamental na minha vida até os 20 anos.
Quanto as outras linguagens da arte, posso dizer que amo muito a dança e já fui por anos bailarina clássica quando menina, até a pré-adolescência. Depois me interessei apaixonadamente pelas artes visuais na universidade, e em seguida, pelas artes do audiovisual já ativa na profissão, e por fim o teatro, com o exercício do fazer “ao vivo”. Tudo isso junto faz de mim o conjunto complexo e amalgamado que sou. Essa metamorfose ambulante a serviço das artes. E tudo para mim, sai da palavra e/ou do desenho. Mesmo quando algo vira um projeto multimídia e com muita tecnologia, o texto e o traço > são embrião.



A.C.I.MA. – O que você acha que seria prioritário fazer para criar oportunidades para valorizar e divulgar o trabalho dos escritores e artistas brasileiros no Brasil e no exterior?

P. V. A. – Fundamental para o autor, é o fomento por divulgação e presença das obras e de autores em palestras, mesas redondas, exposições, feiras de livros e eventos literários nacionais como a FLIP e Bienal e internacionais como por exemplo, o Festival Litquake em San Francisco, na Califórnia. E tudo isso, claro, com a tradução dos textos brasileiros para outros idiomas, publicações de qualidade e o intercâmbio com os autores e as universidades de outros países. O fomento através de prêmios e concursos também valoriza e movimenta o mercado literário ajudando a ecoar nos veículos de informação e notícias tanto online, como off-line, visto o livro sendo um conteúdo de valor, a ser conhecido e preservado. A divulgação é fundamental. Em relação as outras artes, também seria isso, porém cada qual tem sua complexidade de mercados e audiências. De toda forma uma divulgação consistente e ininterrupta, é a base fundamental para a construção de uma imagem sobre esse conjunto de artistas, e da cultura brasileira vigente.

A.C.I.MA. – Na sua opinião, qual o maior obstáculo que encontra o escritor brasileiro para ingressar no universo literário? Como você divulga o seu trabalho? Onde é possível adquirir seus livros?

P. V. A. – Para divulgar, temos mais espaços e oportunidades do que para distribuir. Com isso, sempre participei de saraus, leituras, encontros literários, salões de livros e feiras nacionais e internacionais. Tanto em museus e bibliotecas, como em espaços mais alternativos e galerias de arte. Além disso, existem os programas de rádio com fins culturais e periódicos impressos sobre livros e seus autores. Hoje em dia, a Internet, as mídias sociais e os blogs são grandes aliados de um autor.
O maior obstáculo além da publicação, a meu ver, é a distribuição. Tenho sorte, porque estou entre boas editoras – a Escrituras Editora e a Editora do Brasil - e assim tenho os livros que escrevi, presentes para venda nos portais do Submarino, e da Saraiva Digital, entre outros sites, e nas lojas físicas da Livraria Cultura e da Livraria da Vila, aqui em São Paulo. Ou seja, acho que dá para achar o produto. Mas, as vezes ficam esgotados, como meus livros-brinquedo (que não são mais reeditados) ou como o livro didático de Ensino Médio, que esgota no online e faz pedidos só por encomenda e daí tem que esperar meses pela reedição. Ou as antologias, que se acabam, se esgotam e nunca mais vemos, a não ser por sorte num sebo da cidade. Ou seja, ainda temos tiragens menores do que a Europa e os Estados Unidos e vendemos muito pouco, se comparados aos mercados editoriais estrangeiros. Viver como escritor (a) é para pouco (a) s. Muitos também são jornalistas, professores, tradutores, enfim, possuem alguma atividade paralela para manter a vida. Vender bem os próprios livros, ainda é o maior obstáculo para um escritor brasileiro, dentro e fora do Brasil. E acredito que o maior sonho de vários dos escritores brasileiros, seria transpor esse tal de obstáculo, para viverem só das escritas de seus livros.

A.C.I.MA. – Que conselho daria a quem está dando os primeiros passos no universo literário?

P. V. A. – Por favor leiam muito. E quando acharem que não tem mais nada para ler, leiam de novo o que já leram antes e releiam sempre os livros que transformaram seu pensamento, em momentos diferentes da sua vida e em idades com bons intervalos entre elas. Depois entre no seu próprio fluxo. E algo dentro de você vai te contar qual é o caminho da palavra. E aonde cabe o silêncio.


A.C.I.MA. – Poderia nos falar um pouco sobre suas obras, e particularmente, (se já houve) sobre a experiência de divulgar suas obras no exterior?

P. V. A. – São ao todo, 15 livros publicados. O primeiro publiquei aos 21 anos.
Sendo 14 livros físicos e 1 livro digital e-book - da antologia poética – “Saciedade do Poetas Vivos” com a organização da poeta e dramaturga Leila Míccolis –
Eles são divididos entre 6 livros-brinquedo-de pano com histórias infantis (esgotados), 6 antologias poéticas e um livro solo de poesia o “Iris Digital”, primeiro de uma trilogia urbana que estou fazendo. Além disso tenho um livro didático sobre arte e tecnologia para a coleção PEC da Editora do Brasil – “A Arte em Todos os Sentidos”. Assim sobram as 6 antologias poéticas, e entre elas posso citar o “Poetrix” de organização do Goulart Gomes; o “Brava Gente Brasileira Em Terras Estrangeiras” em Miami, com organização da jornalista Angela Bretas; “Rapsódias” no Uruguai e “Letras del Desamor” com poetas da Argentina, Brasil, Cuba, Uruguai, Chile, Itália e Portugal, ambos organizados pela Fundação Abrace; “Anjos de Prata” organizada por João Silvério Trevisan em São Paulo, e por fim o “Letras de Babel 3 ” – Antologia Multilíngue publicada em Montevidéu – Uruguai, e com lançamento em Brasília – Brasil, 2007. Poesia com autores e poetas selecionados da Coreia do Sul, Costa Rica, Puerto Rico, Colômbia, Argentina, Espanha, Portugal, Chile, Uruguai, Brasil, Republica Dominicana, Equador e Bolívia.
Como podem ver, tive experiências de meus livros e textos irem para o exterior sim, e em países e culturas de diferentes idiomas e visões, mas isso foi mais enriquecedor para a divulgação do trabalho literário e poético em si, do que simplesmente para a venda. De toda forma, é sempre muito bom o intercâmbio cultural através de antologias.
Além disso, quando residi em San Francisco na Califórnia, por mais de 5 anos, fui convidada pelo consulado e a embaixada brasileira (em carta oficial) a representar o Brasil como poeta e escritora, no Litquake Festival –www.litquake.org – no ano de 2005, em tributo a poética Beat Generation e ao poeta Allen Ginsberg. Foram leituras e apresentações de meus livros, em saraus e em diversas livrarias, e espaços de leituras, com o evento intitulado: “Diversidad de las Voces Latinas: Spanish Language and Brazilian Writers”. (http://www.sfgate.com/books/article/LIT-CRAWL-2565631.php
Foi uma grande e inesquecível emoção!
Em Portugal, fui premiada no concurso “Jogos Florais, Palavras e Música – 2003” – pela votação dos ouvintes da rádio – com o troféu “O Amigo”, pelo poema “Mirar Miró”, na categoria poesia lírica. Com isso só tenho a agradecer pelas experiências de intercâmbios literários e a oportunidade de divulgação em outras terras.


A.C.I.MA. – Novos projetos?

P. V. A. – Sim, sempre! Vários sonhos e planos. Há 15 anos tenho esse projeto de uma trilogia urbana e poética que estou fazendo. Já tem o Iris Digital, lançado em 2005 e tenho um outro livro pronto para lançar em breve, já em revisão e ainda mais um já em preparação para fechar o trio. Afora isso, tem a idéia de fazer um livro infantil deste texto premiado pela A.C.I.MA. – “A Beija-flor Dodô e o Girassol Gil”.
E além de livros, tenho também o projeto de uma instalação e a curadoria já montada e pensada para uma exposição multimídia de poesia visual, intitulada: ExpoPoetry - Mix Media – ArtGalery – Multidiversity - “Vamos Falar de AMOR?” Let´s Talk about Love? “Esse projeto foi enviado para uma instituição de artes em Vienna e ainda não saiu o resultado do edital. São sete poetas e artistas brasileiros, envolvidos selecionados na curadoria e eles dialogam com o meu trabalho estético-poético.





A.C.I.MA. – Se desejar deixe-nos uma mensagem, frase, reflexão ou poesia de sua autoria, por favor!

SUA BELEZA

Tudo tem a sua beleza
O mato cerrado
O concreto dos prédios
A alegria
A tristeza
Algo que se prevaleça
As torres e as luzes
Da cidade em movimento
A calma
A pressa
A proximidade da peça
A saudade
A distância
O trânsito
A inconstância
Tudo tem sua beleza
Se for parte da vida
Da graça divina
E da luz da própria natureza
Aquilo que é natural
E o que é cria das mãos dos homens
Pode ser o que for
Seja lá a criatura
A dor de supor
A fartura
A fome
A loucura
A seriedade
A generosidade
Tudo tem seu preço e seu apreço
Sua cruz
Sua maldade ou bondade
Depende do ponto de vista
Daquilo que se queira
Peneirar pela peneira
E amanhecer
Na ladeira
Morro acima
Morro abaixo
O dia – em cores quentes -
E trocar a senha do código secreto
E ficar com o que
Beira a besteira
Ao que
Se
Respira e
Se
Cheira.

Acontece,
Queira ou não queira.

A beleza está por onde

Se
Passa
Emoção

E ela se passa a vida inteira.

Da Antologia “Letras de Babel 3 ” – 2007




RAPIDINHAS:


A.C.I.MA. – Uma saudade?
P. V. A. – A casa da minha avó na minha infância no Rio de Janeiro e tudo o que aprendi com ela, sobre jardinagem.
A.C.I.MA. – Um sonho?
P. V. A. – Viver para inspirar e amar até o fim da vida.
A.C.I.MA. – Um lugar?
P. V. A. – BIG SUR - sua natureza e os livros do acervo: Henry Miller Memorial Library - Highway One - Califórnia. https://henrymiller.org/
A.C.I.MA. – Uma música?
P. V. A. – “Samba do Avião” de Tom Jobim
A.C.I.MA. – Uma tristeza?
P. V. A. – A morte de quem amamos.
A.C.I.MA. – Um barulho?
P. V. A. – Helicópteros e/ou caminhões carretas.
A.C.I.MA. – Um cheiro?
P. V. A. – Capim Limão.
A.C.I.MA. – Doce ou salgado?
P. V. A. – Chocolate.
A.C.I.MA. – Destino ou casualidade?
P. V. A. – Ambos. E a dualidade.
A.C.I.MA. – Quente ou frio?
P. V. A. – Depende do esporte e do lugar. Amo a neve e amo o calor do sol no mar.
A.C.I.MA. – Seu hobby?
P. V. A. – Jardins e o cultivo de plantas tropicais. Bromélias e orquídeas são as favoritas, mas também amo antúrios e hibiscos.
 A.C.I.MA. – Comida preferida?
P. V. A. – Asiática. E de preferência, tailandesa ou da Malásia. Mas, sempre vou amar saborear “una bella pasta italiana”!
A.C.I.MA. – O que ama?
P. V. A. – A natureza, sua beleza, o amor e a vida.
A.C.I.MA. – O que não ama?
P. V. A. – A tragédia, o conflito, a guerra e a discórdia.
A.C.I.MA. – Um livro?
P. V. A. – “A Lógica do Sentido” de Gilles Deleuze
A.C.I.MA. – Um filme?
P. V. A. – “Corra Lola, corra” - de Tom Tykwer (com Franka Potente)
A.C.I.MA. – Uma homenagem?
P. V. A. – O Tributo ao Allen Ginsberg no Litquake Festival de 2006, em San Francisco – Califórnia.
A.C.I.MA. – Momento inesquecível?
P. V. A. – A noite de autógrafos no meu lançamento do livro de poesia “Iris Digital” na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, na Avenida Paulista em São Paulo, em 2005. Foi um sonho conquistado, marcante evento e inesquecível, com muitos amigos e artistas que admiro presentes. Levo na memória e no coração.
A.C.I.MA. – Três coisas fundamentais para ser feliz?

Saúde forte, Paz na mente e no coração e muita Poesia.





A.C.I.MA. – Muito obrigada Paula Valéria Andrade. Sucesso SEMPRE!!!!





Se você é um artista brasileiro e deseja participar do Projeto:
 “Vitrine do Artista Brasileiro no Exterior”, escreva para:  

associazionemandala@hotmail.com

om

                                                           EXTERIOR
A.C.I.M.A entrevista Geovana Clèa ( Itália) (1)
A.C.I.M.A entrevista Ana Miquelin ( Itàlia) (2) 
A.C.I.MA. entrevista Fátima Freita (Suíça) (3) 
A.C.I.MA. entrevista Mara Parrela (Holanda) (4) 
A.C.I.MA. entrevista Lúcia Amelia Brüllhardt   (Suíça) (5)

A.C.I.MA. entrevista JacquelineAisenman (Suíça) (6)

A.C.I.MA. entrevista Marcos Borges (Dinamarca) (7)

A.C.I.MA. entrevista Josane Mary Amorim  (Holanda) (8)

A.C.I.MA. entrevista Márcia Rocha  (Itália) (9)
 
http://acimamandala.blogspot.it/2012/08/a-acima-entrevista-marcia-rocha.html

A.C.I.MA. entrevista Jacilene Brataas (Noruega) (10)

A.C.I.MA. entrevista Alexandra Magalhães Zeiner (Alemanha) (11) 
A.C.I.MA. entrevista Evandro Raiz Ribeiro (Japão) (12) 
A.C.I.MA. entrevista a escritora Rosemary Mantovani (Itália) /13) 
 A.C.I.MA. entrevista  ROSENI KURÁNYI (Alemanha)   (14)

A.C.I.MA. entrevista a escritora Karina Martinelli (Irlanda) (15)

A.C.I.MA. entrevista a escritora Beti Rozen (EUA) (16) 
A.C.I.MA. Entrevista a Escritor ANTONIO SALVADOR (Alemanha) (17) 

A.C.I.MA. entrevista a escritora LIGIA BRAZ(Alemanha) (18)
A.C.I.MA. entrevista o escritor Sérgio, Beija-Flor-Poeta (Alemanha) (19) 

A.C.I.MA. entrevista o escritora NELSI EMILIA TORRES STOCKER (Suíça) (20)

A.C.I.MA. entrevista a escritora JAMILE DO CARMO (ALEMANHA) (21) 

A.C.I.MA. entrevista a escritora MARIANA BRASIL (ITÁLIA) (22) 
http://acimamandala.blogspot.it/2014/08/a_19.html

A.C.I.MA. entrevista a Escritora ELIANA MACHADO (23) 
http://acimamandala.blogspot.it/2014/08/acima-entrevista-escritora-eliana.html

A.C.I.MA. Entrevista o Escritor  JOSÉ MÁRIO NEVADO GUERRA (EUA) (24) 


A.C.I.MA. entrevista a Escritora  FÁTIMA NASCIMENTO - (Alemanha) - (25) 
A.C.I.MA. entrevista a Escritora BENDA BORTOLINI - (Suìça) ) - (26) 

A.C.I.MA. entrevista a Escritora VALDIVIA BEAUCHAMP - (EUA) - (27) http://acimamandala.blogspot.it/2015/12/a.html
                    BRASIL
A.C.I.MA. Entrevista a Escritora FLÁVIA ASSAIFE. (1)

A.C.I.MA. Entrevista o Escritor  VALDECK ALMEIDA DE JESUS (2)

A.C.I.MA. Entrevista o Professor e Escritor FRANCISCO EVANDRO DE OLIVEIRA (Farick).  (3)
A.C.I.MA. Entrevista a Escritora  HEBE C. BOA-VIAGEM A. COSTA (4)

A.C.I.MA. Entrevista a Escritora GRECIANNY CARVALHO CORDEIRO (5)

A.C.I.MA. Entrevista a  Escritora  ANA CRISTINA COSTA SIQUEIRA (6)

A.C.I.MA. Entrevista a Escritora DULCE AURIEMO (7)

A.C.I.MA. Entrevista a Escritora JÔ MENDONÇA ALCOFORADO (8)

A.C.I.MA. Entrevista a Escritora VERA SALBEGO (9)

A.C.I.MA. Entrevista a Escritora IZABELLA PAVESI (10)

A.C.I.MA. Entrevista a Escritora SANDRA NASCIMENTO  (11) 

A.C.I.MA. Entrevista o Escritor ROGÉRIO ARAÚJO (ROFA)  (12)

A.C.I.MA. Entrevista a Escritora CRISTINA RAMOS (13)

A.C.I.MA. Entrevista a Escritora TEREZINHA GUIMARÃES (14)

A.C.I.MA. Entrevista a Escritora MIRIAM DE SALES OLIVEIRA (15)

A.C.I.MA. Entrevista o Escritor IGOR BUYS (16)

A.C.I.MA. Entrevista o Escritor MARCO COUTO (17)


A.C.I.MA. Entrevista o Escritor MOGG MESTER (18)


A.C.I.MA. Entrevista o Escritor J. MARINS (19)

http://acimamandala.blogspot.it/2014/04/acima-entrevista-o-escritor-j-marins.html

A.C.I.MA. Entrevista a Escritora SILVIA BRUNO SECURATO (20)

A.C.I.MA. Entrevista a Escritora IRMA GALHARDO (21)

A.C.I.MA. entrevista a Escritora ANGELA DELGADO (22) 

A.C.I.MA. entrevista a Escritora VERA LAURIA (23) 

A.C.I.MA. entrevista o Escritor JOSE HILTON ROSA (24) 

A.C.I.MA. entrevista a Escritora VILMARA BELLO (25) 

http://acimamandala.blogspot.it/2014/08/acima-entrevista-escritora-vilmara-bello.html

A.C.I.MA. entrevista a Escritora RENATA VAZQUEZ (26) 


A.C.I.MA. entrevista a Escritora MÁRCIA CHRISTINA LIO MAGALHÃES (27) 


A.C.I.MA. entrevista a Escritora ELIANE MARIA DE SOUZA (28) 


A.C.I.MA. entrevista a Escritora RAI d'LAVOR (29)


A.C.I.MA. entrevista a Escritora ESTHER ROGESSI (30) 

A.C.I.MA. entrevista a Escritora  CÉLIA LAMOUNIER DE ARAÚJO (31) 

A.C.I.MA. entrevista a Escritora  NERI FORNARI BOCCHESE (32) 
A.C.I.MA. entrevista a Escritora  LUIZA TELLES (33) 

A.C.I.MA. entrevista o Escritor RODRIGO DIAS (34) 

A.C.I.MA. entrevista a Escritora LIZ MARCCO (35) 

A.C.I.MA. entrevista a Escritora ARLETE TRENTINI DOS SANTOS (36) 
A.C.I.MA. entrevista a Escritora LARISSA LÚCIO DE CARVALHO (37) 
A.C.I.MA. entrevista o Escritor JC BRIDON (38) 
A.C.I.MA. entrevista a Artista Plástica e escritora Maria Araújo (39) 

A.C.I.MA. entrevista o Escritor LUÍS DELGADO (40) 
A.C.I.MA. Entrevista a Escritora ALEXANDRA VIEIRA DE ALMEIDA (41) 

A.C.I.MA. - Entrevista a Escritora RÔ ANGELI (42) 

A.C.I.MA. - Entrevista o Escritor LUIZ OTÁVIO OLIANI (43) 

A.C.I.MA. - Entrevista o Escritor ADRIANA VIEIRA (44) 
A.C.I.MA. - Entrevista o Escritora CARMEN LÚCIA HUSSEIN (45) 

A.C.I.MA. - Entrevista o Escritora JACKMICHEL (46) 



E CONTINUA...

2 commenti:

  1. Grazie molto per tutti ! E tutta la redazione, sono contento !!

    RispondiElimina
  2. Grazie molto per tutti ! E tutta la redazione, sono contento !!

    RispondiElimina